Lobo de Wall Street e o Mercado Financeiro

Difícil encontrar alguém que não conheça o filme The Wolf of Wall Street (O Lobo de Wall Street) de 2013 que destaca Jordan Belfort, um ambicioso corretor da bolsa de valores que cria um verdadeiro império, enriquecendo de forma rápida, porém, de forma ilegal junto aos seus amigos. Eles mergulham em um mundo de excessos e despertam a atenção da polícia com seus métodos. Um filme repleto de reviravoltas e de lições sobre economia, vendas, empreendedorismo e armadilhas de mercado. Você conseguiu identifica-las ao assistir?

Sobre o olhar atento do Mercado financeiro podemos identificar algumas dicas que o filme nos passa, sendo elas:

Busque orientações em órgãos oficiais
Belfort contratou amigos sem experiência no mercado financeiro e os vendedores recebiam comissões de 50% para vender ações de pequenas empresas que não estavam listadas na bolsa de valores.
Destaca-se que é possível tirar dúvidas e fazer consultas ao Banco Central ou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), bem como consultar a lista de empresas autorizadas à venda de ações diretamente na Bolsa. Na hora de investir, é preciso estar cercado de informações oficiais e de profissionais capacitados.

Não confie apenas na “lábia” dos vendedores
Antes de mais nada, Belfort é um excepcional vendedor e consegue convencer grandes investidores sobre as ações que vende e afirma pertencerem à empresas promissoras.
Aprenda a fugir de vendedores assim, a recomendação é que o investidor consulte sempre mais de um profissional, de corretoras diferentes, para verificar se as recomendações são muito divergentes.

Desconfie de promessas milagrosas ou dinheiro fácil
Acreditar em margens de retorno extraordinárias é um erro que, muitas vezes, é levado adiante por conta da própria ambição do investidor.
Só o fato de um produto ser oferecido como um “grande negócio”, uma “barbada” ou uma “moleza” já é motivo para que o investidor desconfie e peça garantias

Conheça o mercado financeiro
Os primeiros clientes de Belfort eram pessoas humildes, como lixeiros e encanadores que não tinham conhecimento mínimo de mercado. Alguns esperavam ganhar dinheiro suficiente para quitar a hipoteca da casa, e acabaram perdendo todas as economias, por exemplo. É preciso ter alguma noção do funcionamento do mercado financeiro e da Bolsa, saber que quem compra ações está pagando, na verdade, por “partes” de uma empresa, e ter consciência de que, se o papel não se valorizar, o investidor pode não ter retorno ou até ter algum prejuízo